Viajar para Cuba é conhecer outro mundo, em outro século. Pode ser muito bonito viver essa aventura no tempo, mas a poesia toda vem junto com falta de informação, de internet e o serviço mais informal e sem garantias que já existiu.
 
 
Cuba é incrível, mas tem muito potencial para perrengues e um planejamento extra é bem-vindo para evitá-los. 

Planejamento: como começar

Comece anotando em papel tudo - tudo mesmo - que importa para a sua viagem. Endereços, telefones, horários de voo, ônibus, tudo. Lembre que não haverá internet para checar essas informações durante sua estadia em Cuba.
 
Tenha em mãos também um seguro-viagem (é sempre importante contratar um, mas em uma viagem à Cuba é imprescindível) e o certificado internacional de vacinação da Febre Amarela emitido pela ANVISA (caso você ainda não tenha, é só levar seu comprovante de vacinação no guichê da Anvisa no aeroporto que o certificado é emitido na hora). 
 

Entrada e saída de Cuba: como tirar o visto

Tirar o visto de Cuba é muito simples e é uma das poucas coisas da viagem que não exige planejamento prévio. Muita gente acha que o visto só pode ser feito no Brasil através do consulado cubano, o que não é verdade. Dá para conseguir sim, claro, via consulado, mas é bem mais trabalhoso. O visto ou "tarjeta turística", como ele é chamado lá, pode ser tirado no aeroporto mesmo, antes do trecho final do voo até a ilha.
 
Basta ter em mãos passaporte e comprovantes de passagens e hospedagem para solicitar o formulário do visto na companhia aérea que fará o trecho final da sua viagem. Ou seja: se seu voo é direto, você pode fazer o visto no check-in no Brasil. Se o seu voo tem escala, você fará o visto no segundo check-in, já na escala no país onde estiver, com a equipe local da companhia aérea.
 
O visto custa US$20,00 e o pagamento deve ser feito em dólares, em espécie - as companhias não aceitam cartões nem outra moeda. Ele tem validade de 30 dias e é um papelzinho que ficará fixado no passaporte. Guarde-o, porque ele vai ser pedido diversas vezes até você ir embora.
 
Antes, também era cobrada uma "taxa de saída" de Cuba, no próprio aeroporto, que custava em torno de US$25,00. A prática foi abandonada em 2015.
 

Câmbio em Cuba: qual moeda levar?

Em Cuba, há duas moedas: o CUP, peso cubano, também chamado de moneda nacional, já que é usado pelos nativos; e o CUC, peso conversível, moeda dos turistas cujo valor regula com o do dólar, uma cotação quase 30 vezes mais alta que a da moneda nacional. O preço dos serviços utilizados pelo viajante - transporte, hospedagem, museus, restaurantes de grandes centros - são expressos e cobrados em CUC.o
 
Parece confuso mas, no geral, você acaba nem topando com as notas de peso cubano, porque no próprio câmbio é comum que o atendente se negue a vendê-las para quem não é morador. Na capital Havana e em cidades turísticas, a conta vai vir sempre em CUC e o troco também. 
 
 
Em cidades menores, porém, é bom dar uma conferida no troco para ver se você recebeu as notas corretas. Também vale perguntar nos restaurantes pequenos do interior se o preço expresso é em CUC ou em pesos cubanos. Um sanduíche cujo preço expresso é 3,00 fora dos centros turísticos pode custar tanto 3 CUC (cerca de R$10,00) quanto 3 CUP (cerca de R$0,35).
 
Para trocar seu dinheiro, procure as cadecas, casas de câmbio. A cotação não costuma variar muito entre o centro da cidade e o aeroporto - apenas evite trocar seu dinheiro em hotéis e resorts, onde a cotação é bem pior.
 
Sobre câmbio, seguem nossas principais dicas:
 
1, Leve euros. A troca de euros por CUC é a mais em conta e não é sobretaxada. Levar dólares, além de sofrer desvantagem na cotação, significa ser sobretaxado em 10%.
 
2, Não confie no uso de cartões de crédito. Dificilmente encontrará algum serviço que aceite outro meio de pagamento que não seja o dinheiro.
 
3, Se possível, já saia do Brasil com todo o seu dinheiro em espécie. Cuba tem vários caixas automáticos em grandes cidades, mas a taxa é maior, a fila é grande e muitos não funcionam.  
 

Quanto custa viajar para Cuba e como economizar em comida e hospedagem

Cuba não é um país caro e tem várias formas de economizar por lá. Em Havana, restaurantes e bares badalados cobram muito mais pelo mesmo tipo de comida que os paladares, restaurantes familiares de comida caseira, onde uma refeição dificilmente sai por mais de 8 CUC. Em cidades menores, com 5 CUC se faz uma refeição deliciosa e completa, com frutos do mar.
 
Para economizar na hospedagem e ter uma experiência de viagem muito mais legal, o melhor é deixar o hotel de lado e reservar um cantinho nas casas dos cubanos, que oferecem hospedagem a partir de 20 CUC a diária por quarto. Um dos sites que ajuda você a fazer esse planejamento é o Casas Cuba. O café da manhã pode ser contratado à parte e sempre fica em torno de 4 a 5 CUC. Outra opção econômica é almoçar ou jantar na própria casa, contratando o serviço com os proprietários por alguns CUCs a mais.
 
 
Em praias como Varadero e Santa Lucia, até os resorts são baratos. É possível conseguir quartos a US$50 dólares por pessoa, com toda alimentação e bebidas incluídos - mas não espere grandes coisas.
 
Uma das melhores coisas de Cuba é a intensidade da sua música: é maravilhoso ouvir música cubana por todos os lados. Tem algumas casas de show que cobram entrada, mas até as apresentações de rua, em resorts e nos restaurantes são incríveis e saem ao custo de uma gorjeta.
 
Na hora de viajar dentro da ilha, o avião é definitivamente a opção mais cara. Vale mais a pena tentar utilizar os serviços de ônibus e carro compartilhado, cujo valor pode ser negociado diretamente com o motorista.

Transporte em Cuba

Em Havana, você pode ir para qualquer lugar de táxi ou tuk tuk sem gastar muito. A tarifa para ida e volta do aeroporto é fixa: costuma ser 25 CUC por trecho. 
 
 
Para viajar dentro de Cuba, são basicamente três opções: avião, ônibus e carro. 
 
A distância entre as duas principais cidades, Havana e Santiago, é de quase 900 quilômetros. Isso obriga o turista que quer visitá-las a recorrer aos voos das empresas aéreas locais, como a Cubana, a Aero Caribbean e Aerogaviota. Todas as empresas aéreas são estatais, ou seja, você não verá uma diferença significativa em preço e serviço comprando com alguma delas em específico - até porque a chance de comprar com uma e voar com outra é bem grande.
 
Quem viaja de avião em Cuba deve saber que aqui é onde a informalidade cubana bate mais forte e com certeza trará surpresas no caminho: sites que não funcionam, aviões muito velhos, voos que mudam de horário ou até data no dia da viagem, atrasos de horas sem explicação nenhuma - tudo isso pode acontecer. Como o bom serviço não é o forte do país, talvez seja melhor reservar todos os voos com uma empresa de turismo confiável, aqui no Brasil, antes de rumar para lá.
 
Para quem topa pegar a estrada, a viagem por terra é a opção mais garantida. Quebrando a viagem em várias cidades, dá para chegar até Santiago também. A empresa responsável pelas rotas de ônibus é a Via Azul e você pode fazer uma pré-reserva pelo site oficial. Depois, é só adquirir a passagem diretamente no guichê. A partir de Havana, uma passagem para Varadero custa US$10,00, enquanto para cidades mais distantes, como Camaguey, custa cerca de US$30,00.
 
Além da possibilidade de atrasos, outro grande problema dos ônibus cubanos é que são poucas opções de horário e as passagens esgotam rapidamente. Para garantir sua viagem, é melhor chegar cedo na rodoviária e comprar com antecedência.
 
 
Caso você fique sem a passagem de ônibus, também pode contratar um serviço de carro compartilhado. Eles são oferecidos na saída das rodoviárias e em vários pontos turísticos a todo momento. Em uma espécie de uber pool, o motorista encontra mais gente que queira compartilhar a mesma rota, completa o carro e começa a viagem. Os preços são mais altos, mas dá para negociar e pode compensar pela praticidade (e pela diversão de viajar em um carro antigão!)
 
Alugar carro em Cuba não é barato e as poucas empresas que fazem o serviço exigem antecedência na reserva. Além disso, as estradas podem ser perigosas para quem não está acostumado, pela falta de iluminação e pela presença de animais na pista em vários trechos no interior. Caso você prefira alugar carro mesmo assim, reserve com antecedência e procure viajar somente durante o dia, para evitar acidentes.