Minas são muitas, já dizia Guimarães Rosa. Muitos também são seus sabores. Existem alguns produtos que de tão típicos recebem um selo Indicação Geográfica, dado pelo Instituto Nacional de Propriedade Cultural, que atesta a autenticidade daquela mercadoria. O Viajala separou alguns desses produtos que carregam o nome de diferentes regiões do estado e que podem ser boas dicas de lembrança de Minas Gerais. 
 
Queijo Canastra 
 
Como o próprio nome diz, o queijo Canastra vem da Serra da Canastra, na região sudoeste do estado. Ele possui um sabor único: forte, meio picante e encorpado. Apesar de ser produzido há mais de 200 anos, até meados de 2013, o queijo era consumido unicamente em Minas Gerais, só no segundo semestre daquele ano é que obteve autorização para ser distribuído para todo Brasil. Para ser considerado legítimo, o queijo tem que obedecer a uma série de exigências, entre elas ser de um dos sete municípios que fazem parte da Serra da Canastra.  
 
Cerca de 800 produtores artesanais da famosa iguaria produzem por volta de 576 toneladas por ano. Atualmente o queijo canastra é um dos quatro tipos de queijo mais consumido no país e em 2008, ganhou o título de patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo IPHAN, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 
 
 
Queijo do Serro
 
Minas é considerada a terra do queijo não é à toa. Um dos principais produtos que a região produz é o queijo do Serro. A receita foi trazida para o Brasil no século XVIII pelos portugueses, mas o mineiros adaptaram a técnica, o deixando mais úmido e ácido. A nova forma de preparo deu tão certo que, em 2002, o IPHAN o reconheceu como patrimônio cultural imaterial brasileiro. 
 
A região produtora do queijo do Serro é formada pelos municípios de Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim, Materlândia, Paulistas Rio Vermelho, Sabinópolis, Santo Antônio do Itambé, Serra Azul de Minas e Serro. Todos estão situados no centro-nordeste de Minas Gerais, na região central da Serra do Espinhaço. 
 
Cachaça de Salinas
 
Salinas, localizada no norte de Minas Gerais, é muito famosa por suas cachaças, existe até um museu dedicado à bebida. Em 2012, o antigo aeroporto da cidade, foi transformado no Museu da Cachaça, são oito salas que incluem um acervo de garrafas e um moinho montados a partir de temas como sociedade do açúcar, engenhos antigos e atuais, plantação, colheita e moagem da cana e história da cachaça na cidade.  
 
Especialistas acreditam que a qualidade da cachaça da região se dá pelas condições climáticas e geográficas.O clima é quente e com pouca chuva, o que é favorável para elevar o sabor e o aroma da bebida, enriquecidos através do envelhecimento em dornas de madeira, produção em alambique de cobre e processamento em aço inox.
 
Foto: Bruno Girin
 
Café da Mantiqueira 
 
Considerado um dos melhores do país, o café é produzido em 25 cidades da Serra da Mantiqueira, que fica nas divisas de Rio, São Paulo e Minas. Apesar da cadeia montanhosa estar presente em outros estados, só é considerado café da Mantiqueira aquele produzido pelos municípios mineiros de Baependi, Brasópolis, Cachoeira de Minas, Cambuquira, Campanha, Carmo de Minas, Caxambu, Conceição das Pedras, Conceição do Rio Verde, Cristina, Dom Viçoso, Heliodora, Jesuânia, Lambari, Natércia, Olímpio Noronha, Paraisópolis, Pedralva, Pouso Alto, Santa Rita do Sapucaí, São Lourenço e Soledade de Minas.
 
Ao todo são quase 9 mil produtores, que colhem por ano mais de 1 milhão de sacas do produto. O clima ameno e o solo rico são ideais para a produção dos grãos. Na região da Mantiqueira, são 70 mil hectares de plantação de café. 
 
Biscoitos de São Tiago
 
O município de São Tiago fica no circuito da Estrada Real próximo das cidades históricas de Tiradentes e São João Del Rei. Apesar do passado colonial, o que mais atrai os turistas hoje são os biscoitos produzidos na região, que é conhecida como a “Terra do café com biscoito”. 
O título recebido por São Tiago transformou a tradição em negócio. Existem cerca de setenta fábricas que empregam 2500 pessoas direta ou indiretamente. A produção é de cerca de 200 toneladas por mês. Entres os tipos produzidos estão os biscoitos de polvilho, rosquinhas e casadinhos.
Em setembro, a cidade celebra a "Festa do Café com Biscoito", que acontece na Praça Ministro Gabriel Passos. Além de provar os alimentos que dão nome à festa, o turista pode aproveitar as apresentações teatrais e espetáculos de música. 
 
 
Quer saber mais dicas e ofertas de viagem? Siga o @viajala_br no Instagram