O Marrocos é um dos países mais incríveis do mundo e, mesmo assim, acaba ficando de fora do roteiro de muita viajante. A fama do assédio dos marroquinos pode desmotivar mulheres que viajam sozinhas, já que gera uma sensação de vulnerabilidade e insegurança. 
 
A gente já fez um post com dicas de viagem pelo Marrocos aqui no blog, mas agora vamos focar nas dúvidas das mulheres: afinal, eu posso ir sem companhia? Como me vestir enquanto estiver lá? Eu vou ficar com medo? Vem com a gente para criar coragem e se sentir o mais segura possível nessa viagem.
 

Dá para ir sozinha?

No geral, dá, sim, ao menos nas cidades mais turísticas - mas o assédio é bem frequente e, às vezes, insistente. E não, você não será trocada por camelos ou levada à força para virar a quarta esposa de alguém. É muito difícil que algo chegue a realmente acontecer (o Marrocos é um país bem seguro para estrangeiros), mas prepare-se para ser incomodada. 
 
Uma dica é: decore “non, merci” e “la, shukran” - educados “não, obrigada” em francês e árabe - e dispare sempre que alguém incomodá-la ou tentar acompanhá-la pela rua. 
 
Procure hospedar-se em hostels, onde a chance de conhecer um grupo legal é maior, ou programe tours em agências especializadas, para ter companhia principalmente se for sair à noite.
 

Como se vestir?

O Marrocos é um país bastante ocidentalizado, principalmente por sua proximidade com a Espanha - a rota marítima entre os dois países, pelo Estreito de Gibraltar, é percorrida em apenas uma hora. 
 
Ou seja: embora quase 99% da população siga o Islã, eles são flexíveis e não é tão fácil encontrar burcas fechadas pelas ruas, cobrindo completamente cabeça e corpo das mulheres, como é comum em alguns países da Ásia e do Oriente Médio.
 
 
No Marrocos, você vai se deparar muito mais com o djellaba, uma túnica longa, usada tanto por homens quanto por mulheres - no caso delas, complementada por um capuz ou véu.

 
Mas o calor africano pode representar uma certa dificuldade para as mulheres do lado de cá do globo, acostumadas com shorts, bermudas, vestidos e camisetas levinhas. 
 
Em Marrakech, por ser uma cidade grande e receber muitos estrangeiros, é até comum ver turistas usando short e bermuda. E você pode se vestir assim, claro, e isso não significa que será julgada na rua, mas tenha em mente que roupas curtas vão fatalmente atrair mais olhares. 
 
 
Na cidade azul de Chefchaouen (ou Xexuão, em português), no norte, por exemplo, o povo local é mais tradicional. Apesar de ser turística, a cidade fundada no século 15 é considerada território sagrado e foi, por isso, fechada para estrangeiros durante séculos. 
 
 
Roupas um pouco mais fechadas podem fazer você passar calor, é fato - no verão, a temperatura marroquina pode passar dos 40 graus. Mesmo assim, são a melhor saída para quem prefere não chamar muito a atenção dos locais e evitar o assédio.
 
Para driblar o calor das calças, dá para usar saias longas e camisetas de manga curta, evitando barriga, ombros e pernas à mostra sempre que possível. Ter um lenço à mão é importante para cobrir a cabeça e os ombros caso você sinta necessidade.
 
Lembre que, independentemente da sua crença ou religião, é importante respeitar os templos sagrados do povo local: para visitar as poucas Mesquitas que permitem a entrada de não-muçulmanos, use a roupa adequada e tire os sapatos.
 
 
Ou seja, não é obrigatório fazer um check-list de roupas fechadonas para viajar para o Marrocos. O melhor é sempre se vestir de forma que a gente se sente bem :)
 
Mas, se a sua ideia é se mesclar com a população e não chamar muito a atenção dos locais, leve na mala:
 
- Calças jeans e saias longas. Calça legging também é uma opção, desde que usada com camiseta longa, que cubra o quadril;
- Tênis e sapatos baixos. Você vai caminhar bastante e nem todas as calçadas são planas;
- Camisetas de manga curta. Evite blusas de alça, tomara-que-caia e decotes;
- Vestidos ou macacões longos;
- Lenços e xales. Você não precisa vesti-los o tempo todo - dependendo de onde estiver, nem vai sentir necessidade de usá-los. Mas ande com um na bolsa caso se sinta desconfortável em alguma situação ou decida visitar algum templo sagrado.